Rubens Barrichello está de volta às competições internacionais em 2017: vai disputar o European Le Mans Series (ELMS) e pode inclusive fazer sua estreia nas 24h de Le Mans e também a famosa endurance de Algarve. O brasileiro vai competir em pistas que conhece muito bem, como Monza, Red Bull Ring, Paul Ricard e Spa-Francorchamps, na temporada que começa em 15 de abril com as 4h de Silverstone.

elms-sebring-december-testing-2016-racing-team-nederland-dallara-lmp2

Crédito da Foto: MotorSport.com

Barrichello pilota o Dallara Gibson LMP2 : o carro é do Racing Team Nederland, que também volta às corridas de Endurance desde os anos 2000 (protótipos Dome S101 – na época a equipe se chamava Racing For Holland). A equipe se completa com os pilotos também experientes, já que o nosso Rubinho está com 44 anos: Jan Lammers (60 anos) – campeão de LeMans em 1988 e ex-dono da equipe Racing For Holland em 1999, e passagem pela F1 entre 1979 e 1982( – além do holandês Frits van Eerd (que já deve estar com uns grisalhos na cabeça).

Lammers esteve na Fórmula 1 depois de conquistar a F-3 europeia em 1979, disputou por 22 vezes as 24h de Le Mans, ajudou Raul Boesel a se consagrar Campeão Mundial de Endurance em 1987 e também disputa o Rali Dakar de caminhão! Tinha ótimas relações com Nelson Piquet, o próprio Boesel e agora Barrichello! Frits van Eerd, que completa a tripulação, também já esteve na disputa do Rali Dakar junto a Lammers em pesados modelos MAN e DAF. Mas o que faz mesmo a importância dele é que os van Eerd são donos do supermercado Jumbo, que patrocinará o Racing Team Nederland em 2017. Automobilismo para ele é hobby – o executivo também já disputou provas do BOSS GP, com carros antigos de Fórmula 1 da década passada, incluindo a Benetton Renault que foi de Jean Alesi e Gerhard Berger.

d3eed86de48d629be2c8576eef97538f

Crédito da foto: AutoSport

O Dallara LMP2 2017 usará o mesmo motor de todas as outras escuderias do campeonato: um Gibson GK428, que será obrigatório nas máquinas P2 pelas novas regras no Campeonato Mundial de Endurance do ano que vem e na Série Le Mans Europeia: V8 de 4.2 litros sem injeção direta que produz 600bhp. O diretor de operações da Gibson, John Manchester, revelou que o novo motor reteve a arquitetura do V8 P2 de 3,4 litros da companhia usado até 2011, mas com 70% dos componentes internos novos. Gibson, que era anteriormente conhecido como Zytek, optou contra a injecção directa de combustível por razões de custos. O processo de leilão, que a Gibson venceu no ano passado, estipula custos de funcionamento de 1.250 € por hora para o motor!

b10ba401b2da4960b2c76d1fc2fed3e8

Crédito da foto: AutoSport

Os motores exclusivos produzidos pela Gibson Technology terão eletrônica Cosworth estão sendo entregues aos quatro construtores que receberam licenças para construir novos carros P2 para a próxima temporada – ORECA, Onroak / Ligier, Dallara e Riley / Multimatic. O GK428 já completou duas distâncias de 24 horas no dyno, com um motor completando 57 horas de corrida. Só nos EUA será permitida a plataforma Daytona Prototype International (DPi), com variedade mecânica. Três desses Dallara LMP2, por exemplo, terão motores V8 6,2 litros com a griffe Cadillac.

Foto de capa: slipstreamnetwork.com