Quem disse que autódromo é lugar só de homens? O sexo feminino sempre é bem representado por mulheres ousadas, inteligentes e que provam que as pistas podem ser lugar para elas também.

Essa é nossa homenagem ao dia 8 de março, dia que remete a um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York no ano de 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas em consequência de condições terríveis de trabalho impostas após a revolução industrial. A população feminina hoje ainda sofre alguns preconceitos, mas já avançamos muito nos direitos e respeito às mulheres!

Temos vários exemplos de mulheres nas pistas no mundo inteiro, chegando a cargos de chefia como o caso da Claire Williams na Fórmula 1 – Aliás a equipe Sauber terá um pilota de testes em 2018: Tatiana Calderón! E no Brasil podemos citar a famosa pilota Bia Figueiredo que atua na StockCar e Fórmula Indy. Conseguimos entrevistar duas profissionais ligadas ao automobilismo, vejam que orgulho podemos ter destas brasileiras!

 

Hag Schultz

Algumas levam ainda o esterótipo de musa. Como Hagueta Schultz, que traz no seu currículo o histórico de pilota estadual de Marcas, Kart e Endurance, além de promotora (ou “grid-girl” como costumam chamar) para estar sempre próxima às pistas. É a paixão desta catarinense, quase paranaense, sobre as rodas: desde o motociclismo quando mais jovem até o convite para participar do Kart dos Artistas – que infelizmente a data não permitiu dois compromissos simultâneos. A vida de modelo e pilota tem destas coisas…

O início de sua carreira teve um com um Nissan Tiida 2009, apelidado de “Metiida”… Já deu pra ver a pretensão da garota, uma vez que ia aprimorando para os TrackDays no autódromo de Curitiba. Ali ela tomou gostou pelo automobilismo e passou a se profissionalizar. O piloto Milton Borges Vieira foi seu principal instrutor, e ela teve aval até mesmo de Paulo Gomes para ser profissional. Hag começou a participar do Campeonato Paranaense de Marcas, o qual participou várias vezes com o Voyage 53, na categoria turismo. Na primeira etapa, Hag ocupou o oitavo lugar, mas poucas corridas depois chegou em quinto lugar, faturando o tão sonhado pódio e o troféu da competição. Um lugar mais alto ainda viria a carreira, ocupando um 2º lugar com muito orgulho!

Veja abaixo uma entrevista que ela deu para CETEP (Faculdade de Tecnologia) onde explica muito bem sobre sua carreira.

Porém, Hag comenta que infelizmente seus planos como pilota acabou por falta de patrocínio. “Gostaria de ter tido os patrocínios,  recebi convites para trabalhos e corridas, mas infelizmente na atual situação econômica do país, perdi oportunidades, o que é uma pena tanto para mim quanto para outros atletas que sofrem do mesmo problema”. Para não ficar tão distante das pistas ela aproveitou sua posição de modelo e atuou como “promoter”, as famosas “grid-girls” que embelezam o grid de largada junto aos pilotos e suas equipes. Tem até matéria na TV em que ela leva na carona o piloto de StockCar (clique aqui neste link)!

Por ser uma das poucas mulheres a ser pilota profissional, Hag Schultz não tem medo de preconceito. Ela diz que o isso está na cabeça de cada um e que as pessoas precisam entender que não existe esporte masculino ou feminino. Nem mesmo a atividade de “grid-girl” intimida, como modelo ela gosta muito do que faz e corre atrás de seus sonhos.

A Fórmula 1 retirou as promotoras a partir deste ano, como sendo uma atitude contra o machismo que coloca as modelos como “mulher objeto”. Mas na opinião profissional da Hag ela acha que tem mais coisas ocultas nessa história que não podem ser noticiadas, e isso foi uma desculpa politicamente correta para tirar as modelos do grid. Ela segue com sua carreira de modelo e diz ter novos planos e rumos de vida, e o automobilismo fica apenas como paixão em suas visitas aos paddocks da F1 e categorias nacionais. Mas diz que quer muito voltar aos TrackDays – agora com o “Snow” HB20 R-Spec, também com upgrades para competição – pois a emoção da pilotagem é sem igual!

Riza Braga

Uma engenheira mecânica formada pelo Cefet-MG, que participou por anos da equipe de competição Fórmula Cefast SAE (categoria que tem no mundo inteiro, e no Brasil acontece principalmente em SP), dona do canal “Na Banguela” e de uma agência de marketing, extremamente apaixonada por automobilismo, Fuscas e todos os boxer refrigerados à ar! Essa é Riza Braga, uma mulher que trabalhou com tratores e escavadeiras em campos de mineração até tecnologia de alta performance para competições de carros fórmula. Tem muita história pra contar, e muito prazer em ajudar os amigos de Volkswagen antigos por perto!

Nascida em Belo Horizonte, Riza tem a mecânica e a comunicação no seu sangue. Atua como publicitária, além de escrever e gravar para o próprio canal. Ela palestra sobre mulheres na direção, da interação da mulher com o carro e do conhecimento que a mulher consegue para qualquer coisa.

Desde a infância colocava bilhete “compro seu Fusca” por onde via os besouros e acompanhava a F1 pela TV com seus pais, que são colecionadores de carros antigos. Riza cresceu com esse sentimento de paixão pelas quatro rodas, sobre a evolução da tecnologia que surge nas pistas e depois vai para os carros de rua, sobre a adrenalina da competição que anda meio sumida na Fórmula 1 e por isso hoje prefere assistir provas como as 24 horas de LeMans.

Essa engenheira que sabe trabalhar muito nos boxes dos autódromos gosta mesmo é de viajar o Brasil todo em seu próprio Fusca 1967 “Byzil”, portanto o ofício e o prazer estão ligados aos automóveis e à comunicação, afinal viajar de antigo é interagir com as pessoas! Por isso surgiu o canal do YouTube “Na Baguela”.

Até mesmo entrevista com Renato Bellote ela já fez, e fotos junto ao Lotus de Emerson Fittipaldi que rendeu o primeiro título do Brasil em 1972. A Riza realmente arrasa e nos deixa motivados a alcançar essa kilometragem de conhecimento e experiências automotivas!

Riza afirma: “As mulheres têm uma importância fundamental na sociedade, tanto na conscientização quanto na participação ativa nas mudanças que devem criar um mundo novo, mais justo, inclusivo, democrático e igualitário.”

Muito bom ter essas duas mulheres como exemplo, e tantas outras que vivem o automobilismo em suas vidas! Seja trabalhado ou simplesmente admirando os carros nos encontros e eventos pelo país. São esposas, mães, mulheres independentes mostrando que tem espaço pra elas em todos os lugares, até mesmo nas pistas!

E preciso citar nossa parceira e também fotógrafa automotiva Ludmila Duarte, que está acelerando muito com seu canal Do Salto Pro Asfalto (no Facebook, YouTube, e Instagram) mostrando que as mulheres gostam sim de carros de todos os tipos em todos os lugares do mundo! Acompanhem suas viagens e vejam quanto coisa legal ela consegue por aí!

E a 1ponto8 convida todo mundo para falar do empreendedorismo com a fotógrafa automotiva Stéfani Iser em um Bate Papo com gostosuras gourmet da Cris Ritter. Será no dia 10 de março, a partir das 14h no nosso próprio Espaço Compartilhado!

Compartilhem com as mulheres – e homens – que gostam de carros, curta a fanpage e assinem o portal! Tem muita coisa boa para vivermos juntos nossas paixões!

Fotos: arquivos pessoais de Hagueta Schultz e Riza Braga

Texto e entrevista: Marco Escada

 

Deixe sua mensagem