Todos nós fotografamos e prontamente publicamos nas redes sociais ou enviamos a imagem para outra pessoa. O trabalho de revelação fica por conta da próprio equipamento, seja no celular ou em modelos de câmeras amadoras. Para isso é utilizado o formato mais comum que qualquer aparelho eletrônico de imagem possa abrir: JPG. Mas existem outros formatos possíveis, como o GIF, BMP ou TIF. E para melhor edição da imagem, é possível salvar o arquivo sem revelação alguma, apenas os dados da imagem para serem manipulados de acordo com o gosto do usuário, salvando posteriormente no formato que quiser e com o máximo de qualidade. Para isso é preciso configurar para salvar as fotografias que serão tiradas no formato RAW (ou DNG, que é a extensão mais popular deste tipo de arquivo).

Crédito da imagem: Fotografia DG

A vantagem é poder manipular a imagem com o arquivo “cru”, mantendo toda sua qualidade original. Ao contrário do tradicional JPG, em que a própria câmera ajusta e converte o arquivo, deixando pronto automaticamente, mas perdendo qualidade a cada filtro posterior. (Para mais detalhes, lembre-se de nossa Oficina f1ponto8s!)

Alguns celulares já permitem gravar imagens em RAW para tratar em um aplicativo de edição próprio ou de terceiros. (como Adobe Photoshop ou Lightroom, por exemplo).

Os smartphones disponíveis que temos hoje capazes de gravar neste tipo de arquivo são os seguintes:

 

Além da alguns importados como:

 

As imagens capturadas por quase todos os atuais são salvas nos formatos DNG (a extensão popular do RAW). Por isso, se você tem um smartphone com Camera2 API, a Google está prometendo um aplicativo capaz de fazer qualquer Android capturar em RAW, mas ainda é versão de testes. Mas já temos alguns aplicativos capazes de fazer a maioria dos celulares com Android fotografar em RAW, vale a pena tentar:

Manual Camera Compatibility (ou Manual Camera)

Crédito da imagem: Tecmundo

Primeiramente, é interessante utilizar o Manual Camera Compatibility para verificar se o aparelho Android em questão possui suporte ao foco manual e ao formato RAW, além de conferir se há Camera2 API. Depois, com o aplicativo Manual Camera você pode registrar imagens manualmente com bem mais liberdade, alterando o foco, a velocidade do obturador, o ISO e, é claro, salvar as imagens diretamente em RAW. Custa cerca de R$ 10,00.

Camera FV-5

Crédito da imagem: Tecmundo

Esse app traz o conceito das câmeras DSLR e é totalmente focado nos controles manuais. Novamente, aqui você terá bem mais liberdade para ajustar aspectos como foco, velocidade do obturador, ISO, entre outros. Além disso, existem modos inteligentes que você pode utilizar, priorizando o temporizador e a velocidade. Caso deseje, as configurações também podem ser realizadas de modo automático. Custa cerca de R$ 10,00.

AZ Camera

Crédito da imagem: Tecmundo

O AZ Camera é bastante semelhante aos dois aplicativos mencionados anteriormente, porém possui um diferencial muito significativo: é gratuito. Contudo, algumas funcionalidades exigem que você pague um determinado valor para utilizá-las (como gravar vídeos com controles manuais). No entanto, se o que você está procurando é só registrar fotos em formato RAW, fique tranquilo, pois o AZ Camera oferece esse recurso gratuitamente. Gratuito!

A Better Camera

Crédito da imagem: Tecmundo

A versão integral do app A Better Camera está em promoção, com desconto de 50%, então aproveite se você está procurando por um aplicativo mais profissional. Contudo, é indicado que antes você baixe o app gratuito para verificar se ele funcionará 100% no aparelho, já que o RAW desse app só é compatível com um determinado número de dispositivos. Outras funcionalidades interessantes também estão presentes no software, como HDR+, modo noturno, imagens panorâmicas de alta resolução, remoção de objetos etc. Possui versão gratuita.

Mi2RAW Camera

Crédito da imagem: Tecmundo

Por último, apresentamos o app Mi2RAW Camera. Apesar de registrar as imagens em formato RAW, aparentemente somente alguns smartphones são compatíveis com o aplicativo (como o Xiaomi MI2, MI3, LG G2 e OnePlus One). Aparelhos que não são compatíveis com o app, nem vão rodá-lo corretamente. Há também algumas opções de edição mais cruas, apesar de ele não ser tão completo quanto os anteriores. Gratuito!

 

Não podemos comparar instantaneamente uma foto feita em RAW com uma processada em JPG: pois o RAW não terá automaticamente os ganhos de cor e contrastes de uma JPG. O próprio fotógrafo fará isso posteriormente de forma totalmente personalizada.

 

É um grande diferencial para todos estes smartphones. No caso da Hasselblad TrueZoom a própria fabricante de câmeras disponibiliza gratuitamente o aplicativo de edição para o celular.

Crédito da imagem: PCmag

 

Aliás, o modo RAW é o preferido por fotógrafos por manter os dados da imagem com maior detalhamento possível, sem a compressão e ajuste automático do JPG. Por isso é tão utilizado profissionalmente, pois o RAW mantém a imagem com a melhor qualidade possível mesmo após ajustes, detalhando áreas claras e escuras com mais precisão.

Para melhor entendimento conte conosco da 1ponto8: vamos estudar fotografia! (clique neste link e saiba como ser assinante Insano) 😉

Esta matéria não tem patrocínio, apenas queremos mostrar os diferencias destes aparelhos.

#f1ponto8s #1ponto8

Texto: professor de fotografia Marco Escada

Imagem de capa: Geckoandfly

Deixe sua mensagem